O fascínio por óculos exóticos

O médico oftalmologista Marcelo Martins Ferreira Junior, 54 anos, possui em torno de 1200 óculos, sem graus e exóticos, todos devidamente catalogados. Ele foi certificado pelo RankBrasil, o livro dos recordes brasileiros, como o maior colecionador nesta categoria em 2008.

Martins comentou que já chegou a emprestar alguns exemplares para os filhos usarem em festas a fantasia, mas os mesmos voltavam danificados, e por isso decidiu não liberar mais. Confira outras histórias sobre a coleção que fica em seu consultório, no Recreio dos Bandeirantes, na cidade do Rio de Janeiro.

Martins e parte do acervo (Foto: tarcilaz)

Koleções: Os óculos ficam expostos em seu consultório. Já houve exposições externas?
Marcelo Martins:
Já fiz várias. Foram três edições no Shopping D&D, em São Paulo, por exemplo. Também participei de programas televisivos em que levei em torno de 100 óculos, cuidadosamente embalados para não haver quebras.

Koleções: Quais são os óculos mais curiosos?
Marcelo:
Tenho um que trouxe de Istambul o qual acende luz, faz barulho, mas cada um tem uma história. Eu tenho essa coleção há 17 anos, e a cada viagem compro alguns modelos. A coleção é minha vida.

Óculos toca música e possui luz pisca-pisca (Foto: tarcilaz)

Koleções: Há alguma história curiosa?
Marcelo Martins:
Certa vez, em Roma, havia uma boutique com um óculos em um manequim. Entrei e perguntei quanto custava, mas o vendedor informou que não estava à venda. Ele falou para que eu consultasse o proprietário da loja. No dia seguinte voltei e falei com o dono que disse que era de coleção e que não tinha preço. Então, comentei que era um colecionador do Brasil e voltei para o hotel.
No último dia, estava com as malas prontas e embarcaria ao meio-dia quando o lojista reapareceu e voltou a comentar que os óculos não tinham preço, mas que poderia vender pelo valor da blusa no manequim. Mas, no fim, ele disse: “ah, toma os óculos, vai!” (risos)

Os óculos exóticos do Dr. Marcelo Martins (Foto: tarcilaz)

Koleções: Você já viu algum modelo o qual gostaria que integrasse o acervo e por algum motivo não conseguiu adquirir?
Marcelo Martins:
Tiveram alguns por questão de preço, pois custavam em torno de 300 euros. Estavam à venda em óticas da cidade de Paris, que apesar de maravilhosos eram inviáveis! Um hobby é para proporcionar prazer e não prejuízo. A intenção da coleção não é esta.

Diversas formas, personagens e cores integram a coleção (Foto: tarcilaz)

Koleções: Qual a importância da coleção para você?
Marcelo Martins:
É legal, pois é ligada a minha profissão. Eu não acho graça ter coleção de alguma coisa e deixar dentro de uma mala. Muitas pessoas têm coleção de moedas, mas que ficam guardadas. A minha eu vejo todo dia.
Vim para o Recreio dos Bandeirantes há 17 anos quando ainda era um bairro que não havia nada. Eu fui o médico pioneiro. O público aqui é muito jovem e as crianças viam os óculos e ficavam malucas. Elas os admiravam e achei interessante a ideia de continuar a coleção. Vem crianças que a mãe traz porque um amigo da escola me indica, e por conta disso virou uma espécie de marketing, uma forma de atrair novos clientes. A criança já chega aqui e pergunta onde estão os óculos, e o exame se torna descontraído.

Comments
  1. Luciana | Responder
  2. marcia | Responder
  3. wisler | Responder
  4. wisler | Responder
  5. wisler | Responder

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *